Post Page Advertisement [Top]


No dia 31 de outubro de 2017 comemoramos a Reforma Protestante que chegara aos seus 500 anos. Em 1517 Deus levantou um homem cheio de coragem e ousadia para ser precursor de uma ação do Deus soberano para resgatar princípios morais, éticos e doutrinários de sua igreja e estabelecer no meio de seu povo a volta as Escrituras, este homem é Martinho Lutero que se ergue como um atalaia do Senhor para anunciar ao povo cristão o perigo que corriam ao conviver em meio as heresias e abusos do sistema religioso da Igreja Católica Romana.

  Quando olhamos para a história do passado e para os nossos dias, vemos que os mesmos erros daqueles tempos são os mesmos dos que os da Igreja Evangélica hoje. Os evangélicos se tornaram os maiores promotores da barganha entre Deus e os homens, entre o dinheiro e as bênçãos e até mesmo da salvação pelas obras (e pelo dinheiro). Nos rendemos a práticas místicas e doutrinas estranhas, fomos tomados pelo assalto da ignorância da intelectualidade e muitos dos nossos líderes desestimulam-nos da leitura e estudo da Bíblia.

  É em cenários como este em qual vivemos que os verdadeiros cristão precisam erguer suas vozes manifestando a sinceridade de seus corações em defenderem o verdadeiro Evangelho da graça de Deus. Necessitamos de homens cheios do Espírito Santo que não se rendem 
e nem se vendem ao sistema religioso corrupto e sincrético atual; que, como Daniel, está disposto a ir para a cova da rejeição, da dor e do sofrimento, mas que não nega as verdades contidas nas Escrituras.

  Ser um reformador hoje é um desafio para todos aqueles que desejam ver a igreja de Jesus de volta as suas raízes, ou seja, como a de Atos em que se tinha poder de Deus operando e testificando da Palavra. Sim, hoje precisamos novamente de uma reforma, começando-a dentro de cada um de nós, rasgatando valores perdidos e sustentando os pilares da nossa fé.

  O mercado Gospel não pode suprir e nunca conseguirá substituir o poder de Deus. Não precisamos de belas canções ou de bons oradores, precisamos de pessoas comprometidas com o Reino de Deus para que haja um reavivamento. Precisamos de novos Elias, de novos Josias, de mais Paulos, de mais Luteros, de mais homens e mulheres que queiram ser reformadores nesta época tão devastadora para o povo de Deus.

  Que não nos calemos ante as reprovações do mundo e até mesmo de muitos que dizem ser nossos irmãos em Cristo, e sigamos fielmente as palavras do Senhor a Paulo "não temas, mas fala e não te cales, porque eu sou contigo..."(Atos 18.9-10a); tendo em nossos corações a certeza de que Ele nos convoca e coloca para a defesa do evangelho (Filipenses 1.16) e que para isso não nos deu espírito de temor, mas de poder (2Tm 1.7) para que não nos envergonhemos do seu Evangelho mas sejamos participantes das aflições segundo o poder de Deus (2.Tm 1.8). Ousadia é o que queremos, ousadia é o que precisamos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é extremamente importante, Comente!